A cobertura jornalística de fronteiriços e favelados – narrativas securitárias e imunização contra a diferença

Ada Cristina Machado da Silveira

Resumo


Este artigo realiza uma abordagem da imunização frente à diferença produzida pela cobertura jornalística sobre acontecimentos ocorridos nas periferias pertinentes às fronteiras internacionais brasileiras (fronteiras) e aquelas localizadas em suas áreas metropolitanas (favelas). A opção metodológica que a sociossemiótica aporta permite a análise da cobertura de acontecimentos realizada pela mídia local, por meio de um corpus criado a partir de edições dos anos 2006-2007 de um diário fronteiriço, em contraste com a análise de dois semanários nacionais no mesmo período. O objetivo geral procurou conhecer a especificidade que o nível local concede aos acontecimentos já estandardizados pela mídia nacional. Os resultados apontam a consistência da hipótese de que o agenciamento jornalístico mantém a noticiabilidade sobre as periferias numa condição discursiva ambígua e que responde por seu enquadramento como alarmes de incêndio, convertendo-as em patrimônio territorial do Estado-nação.

Palavras-chave


Jornalismo. Periferia. Fronteiras. Estado-nação. Identidade Nacional.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/rbcc.v35i1.1099