MST e Escola Nacional Florestan Fernandes: formação, comunicação e socialização política

Pablo Nabarrete Bastos

Resumo


Este artigo apresenta resultados de pesquisa sobre a formação política do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) a partir da comunicação e socialização com o trabalhador urbano. Utiliza-se o método dialético e são aplicadas técnicas qualitativas, entrevistas  semiestruturadas com lideranças do MST, e pesquisa antropológica na Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF). A ENFF, fundada pelo MST no município de Guararema, Estado de São Paulo, em 2005, é um dos principais espaços de formação política dos movimentos sociais da América Latina. Constitui também espaço estratégico para a formação, comunicação e socialização política entre a classe trabalhadora do campo e da cidade. A ENFF possui potencial para ser espaço de construção da hegemonia popular por meio da sociabilidade entre movimentos sociais do campo e da cidade, por meio da produção simbólica comum e da educação universalizante, contudo, ainda é um espaço em que prevalecem a hegemonia política e a cultura do MST.

Palavras-chave


Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST); formação política; hegemonia popular; campo e cidade.